Antônio Câmara Manuel apresenta o trabalho de Irit Batsry no terceiro seminário do CEN 2011

Antônio Câmara Manuel, diretor artístico do festival Temps D’Images Portugal e fundador da produtora DuplaCena (DC), que promove eventos e espetáculos multimídia na Europa, ministrou o terceiro seminário do CEN 2011 e apresentou o trabalho da artista Irit Batsry. Israelense que se mudou para Nova York em 1983, Irit tem uma extensa produção na área de mídia e videoarte, e é renomada por seus vídeos experimentais que ganharam notoriedade no início dos anos 80. Com o título “Algumas palavras sobre Irit Batsry”, o seminário abordou o trabalho da artista com a participação dela.

Inicialmente, Antônio explicou que conheceu o trabalho de Irit Batsry enquanto era diretor de produção do Porto 2001, Capital Europeia de Cultura e exibiu um vídeo sobre as instalações da artista. Entre estes trabalhos está  sua primeira criação no Brasil: “of Absence of Persistence“, exposte no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, em 1991. A obra é composta por um barco cheio de areia, no qual se distingue uma marca de um corpo ausente.

Irit Batsry e António Câmara Manuel durante o seminário no CEN – Crédito Roberto Vinícius

Durante a exibição das imagens dos trabalhos de Irit, ela contou sobre sua carreira e como iniciou alguns de seus projetos. O que chama atenção da artista é a relação da imagem com o espaço, e seu trabalho se constitui muito como um ensaio sobre a imagem. Ela disse que sempre se interessou pelas fronteiras, pelos limites, e que leva isso para suas produções.

Antônio destacou que um dos vídeos de Irit, “These are Not My Images“, o marcou de forma decisiva e ressaltou a importância da obra. Logo depois exibiu o filme, que trata sobre a viagem de uma cineasta ocidental e mistura elementos de diferentes gêneros, tais como documentário, ensaio, experimental e ficção.

Depois da exibição do filme, Irit falou sobre “Of Sets“, trabalho que iniciou em 2001 e em que ela registra filmagens de filmes brasileiros e cria instalações com esse material. A artista relatou e mostrou imagens de sua instalação baseada nas filmagens do filme brasileiro “Madame Satã“, no Museu Whitney, em Nova York. Ela revelou que Lázaro Ramos, protagonista do filme, foi visitar a exposição e, ao ver as imagens que incluíam momentos seus no set, ficou impressionado. Convidou-a, então, para registrar as filmagens de “Cidade Baixa“, produção em que estava envolvido. A partir daí, Irit continuou seu trabalho de registro de filmagens no Brasil, com filmes como “O Céu de Suely” (um destes registros, “View From Both Sides“, será projetado amanhã na Usina do Gasômetro – saiba mais).

Impressões sobre o CEN

Antônio e Irit falaram sobre suas impressões com relação ao CEN 2011. Para ele, o adjetivo bom é pequeno para falar do que acha dos filmes, da organização e das pessoas envolvidas. Antônio confessou estar meio afastado dos festivais de cinema e mais envolvido com os multidisciplinares, como o Temps D’Images.

Já Irit destacou que o interessante no festival é que ele se interessa por diferentes formas de imagem: animação, longas e curtas-metragens. Além disso, a artista ressaltou a ênfase do CEN no diálogo entre o cinema e as artes plásticas.

Bruno Maya

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *