Ex Isto

O Festival de Gramado decidiu encerrar a sua 38ª edição com o filme Ex Isto, de Cao Guimarães. Fora de competição,  este foi o filme pelo qual aguardei toda semana. E, felizmente, minhas expectativas foram atingidas. O melhor longa nacional que assisti em Gramado (não assisti Brother, grande vencedor do festival). Desafiante para a platéia de Gramado. Completamente diferente de todos os outros filmes que passaram em competição. Não entendi a proposta da curadoria em fechar com esse filme. Será um aviso para o ano que vem? Dúvido muito.

A proposta em si já é interessante – “E se Descartes tivesse vindo ao Brasil com Maurício de Nassau?”. Inspirado, baseado, apoiado, atravessando a obra “Catatau” de Paulo Leminski, Cao Guimarães dirigiu este filme como parte de um projeto maior do Itaú Cultural – Iconoclássicos, em que diversos diretores levam para as telas a obra e pensamentos de artistas brasileiros.

A sinopse de Ex Isto chama a atenção, intriga pelas possibilidades. Mas quem espera discussões filosóficas vai se decepcionar. A proposta é discutir através de imagens. Como o próprio Cao disse antes da sessão: “É como um bebê. As palavras são apenas sons sem sentido. Existe apenas um horizonte de sentido.” O único ator do filme, João Miguel, dá a impressão que realmente está completamente perdido dentro de seu pensamento racional e lógico em meio a esta terra e gente tropicais. Sua passagem pela Recife atual é um dos melhores momentos do filme.

É um filme que, apesar da fadiga acumulada da noitada de quinta-feira e de uma sessão anterior (La Yuma – filme nicaragüense sobre uma garota que quer ser boxeadora) fez com que eu me esforçasse para permanecer atento e desperto. Mas é bem difícil não se perder em pensamentos paralelos diante de planos extensos e silenciosos. Diversas tomadas de experimentação visual, bastante variadas, me fizeram querer ter tomado um ácido antes de entrar na sessão. O som, do Grivo, muito bem trabalhado, explorando o surround da sala. O estilo de Paulo Leminski perceptível a cada off.

No final, a platéia me surpreendeu. Restaram muito mais pessoas do que imaginava. Com as poucas pessoas que falei, pouquíssimas ficaram satisfeitas com o filme. Uma pena.

Na verdade, é um filme pro CEN e não pra Gramado. Uma pena.

Ramiro Azevedo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *