Paraísos Perdidos Séc. XX

O coletivo de artistas Avalanche tem duas exposições abertas na Usina do Gasômetro, em Porto Alegre, ambas integrantes do projeto Paraísos Perdidos Séc. XX. Uma das mostras leva o mesmo nome do projeto e está em cartaz na Galeria dos Arcos, no térreo, com séries de fotografias, retratos, cartazes, além de videoarte, clipes e filmagens caseiras da Avalanche. Na Galeria Lunara, no quinto andar, está aberta a exposição Estacione em Porto Alegre, uma instalação fotográfica de registros de estacionamentos espalhados pelo centro da capital gaúcha, que apresenta uma reflexão sobre a destruição em massa de casas em detrimento dos inertes estacionamentos, segundo Matheus Walter, integrante da Avalanche.

O projeto Paraísos Perdidos Séc. XX surgiu a partir de um convite da Coordenação de Cinema, Vídeo e Fotografia da Secretaria Municipal da Cultura de Porto Alegre e inclui diversos outros eventos além das exposições, numa programação que teve início no dia 16 de novembro e vai até o dia 02 de janeiro. O primeiro deles foi uma mostra de filmes que aconteceu entre os dias 16 e 28 de novembro, com a exibição de obras de Herzog, John Huston, Spielberg e Peter Bogdanovich. Também foram exibidos trabalhos realizados pelos integrantes da Avalanche e o curta A Mão do Homem Morto, produzido por Virgínia Simone e Matheus Walter especialmente para a exposição. No dia 30 de novembro, foi realizada a palestra O Super 8 e a cinematografia caseira, e no dia 10 de dezembro acontecerá o evento Rock no Cinema, com show da banda MW3 e projeção de imagens psicodélicas, às 21h na Sala P. F. Gastal. Já as duas exposições ficam abertas até o dia 02 de janeiro.

Inicialmente liderada pelo casal de artistas Gustavo Jahn e Melissa Dullius, atualmente radicados em Berlim, a Avalanche tem à frente atualmente outro casal, Virgínia Simone e Matheus Walter. O grupo se consolidou como dos coletivos artísticos mais atuantes e premiados de Porto Alegre, com a produção de filmes em Super-8 e 16mm, vídeos, instalações, fotografias, música, pinturas, sempre marcadas pela pesquisa de interseções entre diferentes linguagens artísticas. As exposições nas duas galerias da Usina do Gasômetro funcionam não só como resgate da história da Avalanche, mas principalmente como uma significativa amostra do universo estético do grupo. Também integram o coletivo os artistas Lia Letícia, Carlos Dias, Rochele Zandavalli e Antônio de Paula.

Colaboradores de longa data do CineEsquemaNovo, os integrantes da Avalanche produziram duas vinhetas para o festival, nos anos de 2004 e 2008, em colaboração com Rodrigo John, e  tiveram vídeos selecionados e premiados nas mostras competitivas. Assista à vinheta do CEN 2008:

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=7NiYRD1wes4]

Em 2004, Gustavo Jahn integrou o júri oficial do CEN. Em 2007, seu filme Éternau foi vencedor do prêmio de Experimentação Técnica em Concepção Artística. Em 2009, o filme Triangulum, produzido, roteirizado e dirigido por Gustavo Jahn e Melissa Dullius foi exibido na mostra competitiva de curtas e médias-metragens do festival. Vários filmes da dupla podem ser assistidos no canal deles no Vimeo. Confira aqui Éternau:

[vimeo 14061763]

Gabriela R. Almeida

1 comment for “Paraísos Perdidos Séc. XX

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *