Quarto seminário com artistas convidados do CEN-E recebe o duo Distruktur

Distruktur 1O quarto seminário com artistas convidados do Cine Esquema Novo Expandido foi realizado no dia 26 de junho no Santander Cultural com Melissa Dullius e Gustavo Jahn, integrantes do duo Distruktur. A conversa aberta ao público aconteceu depois da exibição do filme “Navegação”, trabalho recente montado a partir de materiais filmados em diferentes lugares e momentos da trajetória da dupla. De filmes realizados quando chegaram em Berlim há quase sete anos, a outros feitos numa viagem bastante recente à cidade de Roma, “Navegação” é formado de “coisas que se amontoam”, como Melissa e Gustavo afirmaram durante o seminário.

Também é uma obra bastante reveladora do processo de produção da dupla, que mantém um ritual diário de filmar e trabalhar em cima daquilo que foi filmado. Seja em casa ou no LaborBerlin, coletivo que reúne artistas e realizadores independentes e conta com um espaço físico para trabalhos inclusive com película, Melissa e Gustavo dedicam três a quatro dias da semana a atividades como revelar filmes, limpá-los, copiá-los e montá-los.

Em “Navegação”, o desafio foi o de colocar junto muito do que a dupla já tinha produzido. Durante a conversa, Melissa e Gustavo disseram tratar-se de uma obra que dá forma ao processo de trabalho iniciado quando eles foram para Berllim. É como se todos os filmes contidos em “Navegação” tivessem uma vida independente, com exceção de algumas imagens muito pessoais. Alguns dos trechos, inclusive, já foram exibidos em outras ocasiões.
Distruktur 2

A impressão de vertigem decorrente do fluxo das imagens e sons tem como intenção transmitir ideias e estados de espíritos. O Distruktur crê na possibilidade de autonomia da linguagem pictórica e investe em um processo de criação em que as imagens possam comunicar diretamente.

A vertigem é interrompida em alguns momentos, quando é oferecido um respiro ao espectador (alguns blacks em que vemos a tela preta e o som se mantém). O som, aliás, é outro aspecto que chama a atenção em “Navegação”. Por não trabalhar normalmente com captação de som sincronizado, a trilha sonora é fruto de um processo criativo totalmente outro – pensado a partir das imagens e para funcionar em relação a elas, mas produzido de forma independente.
Distruktur 3Uma questão que surgiu no debate com o Distruktur vem permeando o Cine Esquema Novo Expandido desde o processo de concepção da edição de 2013 do festival. Afinal, “Navegação” é uma obra pensada para o cinema ou para um circuito expositivo de galeria? Segundo Melissa e Gustavo, quando a maioria dos trechos foi filmado eles não pensavam na sala de cinema, mas no momento da montagem sim. O tipo de ritual que a imersão na sala escura proporciona ao público oferece uma condição de espectatorialidade que talvez seja ideal, mas a dupla disse não se opor à possibilidade de exibir “Navegação”em outros espaços, mesmo porque o Distruktur está habituado à exibições de suas obras fora da sala de cinema.

Texto por Gabriela Ramos de Almeida e Jamer G. Mello

Fotos por Roberto Vinicius

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *